quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Poema pagão: Eros cochicha nos ouvidos da Psique adormecida

E, pra encerrar a dose tripla de postagens de hoje (pra compensar as sextas-feiras nas quais fico atolado de serviço e quase sem tempo pra blogar), mantenho o clima de sonho das postagens dos dias anteriores, O poema tem um tempero de mitologia grega - ao gosto do poetamigo Wilson Fort que, há pouco tempo, postava no grupo do facebook "prana puro" diversas postagens aos clássicos deuses gregos - e refaz liricamente a cena em que Eros, ordenado pela sua orgulhosa mãe Vênus (deusa do amor), ameaça ferir a Psique com uma flecha envenenada. O plano acaba frustrado quando Eros vê a vítima de perto e fere a si próprio com a flecha, apaixonando-se por Psique. O poema, publicado em meu quinto livro "Eu e outras províncias", tem estreita relação com o poema "Eros e Psique", de Fernando Pessoa, mais inspiração que relação - talvez tenha mais a ver com as leituras psicanalíticas do mito. O que desejei foi preencher a lacuna deixada na história mitológica. Que os delírios pagãos continuem... 


Eros cochicha nos ouvidos da Psique adormecida

Enquanto adormeces o ego dominador, invado os campos
[desta tua ilha sonífera.
A relva úmida de lágrimas chuviscadas pelos olhos teus,
o mar que cerca a terra é teu pranto...
Pobre moça! - és solitária até nos sonhos.

E não espero de ti grandes hospitalidades, pois sei que sou
[invasor.
Apenas te peço um pouco de calor pra minha pele encharcada
de tanto nadar pelo teu inconsciente...
Me queima, por favor, me queima!

Se procuras sentidos, informo-te que estamos no mesmo
[labirinto.
Venho pela metade, pois minha outra parte me desencontrou
e invado sonhos porque ainda não encontrei os meus...
O teu é tão lindo... triste, porém sedutor.

Se rastreias pegadas de emoções, informo-te que também sou [caçador.
Vejo que és vultosa... carnal, material até nas ilusões
mas te falta alma, um espírito livre das armadilhas humanas.
Te ofereço o meu, aceita, podes pegar!

E talvez acordes aflita, sem compreender o invisível
mas estarei aqui,
estarei em ti,
estarei pra sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário