quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Rock in Rio: Por um mundo melhor? (Ainda não estamos preparados)


Desde seu surgimento, a marca Rock in Rio nunca foi exclusiva do estilo musical rock e, com o tempo, nem pertenceu somente ao Rio de Janeiro. Não compreender que o nome do festival é uma marca, assim como Sempre Livre (que investe em festivais musicais e não abre espaço apenas para bandas femininas) e Yamaha (que criou um evento para revelar novos talentos musicais e nem por isso exigiu que todos os componentes fossem motoqueiros), e que tal evento pode abrir espaço para talentos distanciados ou alternativos ao estilo musical rock é compreender tudo ao pé da letra, negar a arte multifacetária de nossa música invejada por muitos artistas internacionais e desfazer do slogan básico do festival: a ideia de que devemos lutar artisticamente por um mundo melhor.
Todos têm o direito de gostar ou não de um determinado ritmo, artista ou estilo musical, mas o ato de vaiar um show que é executado corretamente (e, muitas vezes, de forma impecável) seguindo as suas características é reabrir velhas cicatrizes de intolerância, que só servem para estagnar uma manifestação artística que pode nos dar autenticidade e identidade. Confesso não gostar de determinadas manifestações artísticas e, quando me deparo com tais amostras – caso elas se apresentem de acordo com o que se propõem -, escolho o silêncio; se não gosto, viro as costas e vou embora. Vaiar, gritar, xingar demonstra desrespeito com o gosto do próximo e falta de habilidade em olhar-se para o espelho – todos nós, humanos, temos o ridículo dentro de nós (fica ao lado de nossos erros mais graves, que lamentamos existirem, mas persistem em nós) e, se há alguma razão para estarmos vivos, ela está no fato de aprendermos com nossa ridicularidade, construirmos bom senso (noção de nossos atos patéticos) e nos tornarmos seres mais toleráveis para a convivência em sociedade. Se tal espetáculo não lhe atrai por que arrastar seu corpo cansado e desengonçado para frente do palco e vaiar em coro com a unanimidade cega e burra? Cometer tal ação é de tamanha tolice e falta de lógica quanto pagar ingresso para assistir ao jogo de um time adversário para ficar vaiando – evidencia falta do que fazer e incompreensão da própria estupidez. Além do mais, queria relembrar que os políticos mensaleiros continuam sendo absolvidos no STF e não vi/nem ouvi ninguém indo pra Brasília vaiar nossa justiça falida; notícias de merenda estragada em Campo Grande/MS e um silêncio gritante daqueles que deviam vaiar, revoltar-se – vaiar Claudia Leite, NX Zero ou banda Gloria demonstra rebeldia sem causa e gasto inútil de energia, que deveria ser poupada para uso em protestos autênticos contra as injustiças sociais (você que xingou e vaiou a Claudia Leite, já foi a Brasília xingar aquele político baiano corrupto que faz festa de axé com o nosso patrimônio público?).
Estamos esquecendo do princípio fundamental de todo e qualquer evento artístico que se preze. Lutamos por um mundo melhor, mais justo, mais tolerante, menos alienado e menos ‘bestificado’ com nossa república corrupta. Antes de vaiar uma obra de arte, seja ela qual for, observe-se melhor no seu espelho, veja o quanto o seu quadro artístico interior é primitivo e defeituoso e refaça a sua pintura rústica no silêncio reflexivo. Quando conseguir aperfeiçoar a si mesmo, verá o quanto é raro e difícil ser um artista autocrítico para pintar/cantar/escrever/tocar o seu próprio eu. Para os que vaiaram, sugiro que reproduzam o barulho em seus próprios ouvidos e repensem um mundo melhor sem esses estúpidos gritos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário