terça-feira, 6 de setembro de 2011

Poema inédito: O instinto e o instante


Hoje é Dia do Sexo! Em homenagem a isso, posto mais um dos meus poemas inéditos, já pré-selecionado para o livro “Foda-se e outras palavras poéticas”, com lançamento previsto para o próximo fim do mundo (2012). Pra ser lido, ouvindo a canção "Orgia", do excelente CD "Vou ser feliz e já volto", do titã Paulo Miklos:


O instinto e o instante

“Eu tenho fome
Eu tenho em mente
Uma grande orgia”
Paulo Miklos , “Orgia”

Bandeirantes desbravando as matas desconhecidas,
Nem heróis, nem vilões, apenas bandeirantes,
Minhas mãos percorrem o seu corpo.
Instinto instante, instinto, instante,
Instinto... instante... eu e ela...
O meu prazer, talvez o dela...
Se existe romance, não o leio;
Se existe amor, não o sinto;
Porque somos bombas-relógios
(Instinto-instante, instinto - instante...)
Na madrugada, explodiremos e ela partirá
Mas não ficarei triste, não desta vez
Porque neste instante eu sou jogador
Se quisesse perder, apostava no amor
Instinto instante
Instante instinto
Mas não ficarei triste
Instinto instante
Instante instinto
Não desta vez
INSTINTO INSTANTE
INSTANTE INSTINTO
talvez...
BUM!

Nenhum comentário:

Postar um comentário