sábado, 17 de setembro de 2011

Minha poesia faz ploc: O Rock 80 e eu (mais uma vez)


            Estou a dois passos do paraíso: hoje à noite verei o show de Biquíni Cavadão e Ultraje a Rigor na Fundição Progresso, no Rio de Janeiro/RJ. Citar tal fato entre meus conhecidos gera 3 reações adversas neles:
            1.  saudosismo utópico (“ah! os anos 80!... queria reviver esses momentos...);
            2.  desdém padronizado (“É... bem ploc, né?”);
            3. entediamento apostólico (“De novo? Você não cansa? Cresce, rapaz!”).
            Como as 3 reações citadas acima são frequentes (raros são aqueles que não julgam ou rotulam) e nenhuma delas representa o que realmente sinto e busco, resolvi postar essa nota-crônica-lírica-sei-lá-como-você-leitor-vai-rotular-fã-nática-e-quase- sóbria (há sempre um resto de embriaguez sonhada no que escrevo, é inata, me desculpe se gotas de poesias afetam nossa realidade na pátria que nos pariu...).
            Primeiramente, caros conhecidos da reação 1, informo que não posso reviver o que não vivi, apesar da “saudade que eu sinto de tudo que eu ainda não vi”. Quando a década de 1980 acabou, eu tinha entre 10/11 anos, era um fedelho com flashs e faixas musicais das melodias das bandas da época que minha mãe ouvia em K-7s e LPs, quase sempre fora de meu alcance, para que eu não estragasse. O pouco que ouvi, quando mamãe ouvia ou se distraía na segurança de seus pertences, guardo bem na memória e até hoje faz parte de minha história poética, mas não maquiemos um tempo com tintas de utopia saudosa: os anos 80 foram tão ou mais cruéis com a humanidade quanto os tempos atuais (“bem-vindo ao mundo adulto”, amigo!); marcarmo-nos apenas como uma saudade do passado é riscar a possibilidade do Carpe Diem, de aproveitar o momento do AGORA (nome do cd do Biquíni Cavadão, lançado bem depois dos anos 1980). Minha poesia carrega resquícios de lembranças, mas, como Drummond, desejo o presente, os homens presentes. Reviver é serviço pra Jesus, que sempre se ergue após o terceiro dia pra nos dar o feriado comercial da Páscoa (“como acreditar se Deus também é teoria?”). Comemoremos tudo que vivemos e não aprendemos, mas não tentemos reviver, pois seria desaprender o que não aprendeu de novo.
            Quanto à rotulação ploc, caros conhecidos da reação 2, informo que tal modismo me diverte, mas não me aflige. Não busco inspirações e shows das bandas da década de 1980 em busca de algo antigo, perdido no tempo, estático e temporário. As músicas dessas bandas marcaram minha poesia e ainda marcam pela peculariedade de se tornarem eternas, libertadas de aprisionamentos temporais. O protesto de “Inútil”, do Ultraje a Rigor, infelizmente, ultrapassa todas as expectativas de otimismo lulista da atualidade. Com Copa e Olimpíada ou sem Copa e sem Olimpíada, a gente ainda não sabemos escolher presidente, não sabemos tomar conta da gente, escrevemos livros e não podemos publicar, jogamos bola e não sabemos ganhar (nosso atual técnico Mano Menezes que o diga com conhecimento de causa). Ainda vivemos “No Mundo da lua” nos espremendo em “Ônibus”, nos julgando “Zé Ninguém” numa pátria “Filha da Puta”. “O chiclete” que faz ploc tem fundações líricas eternas em nossa História sem memória. Amo grande parte do Rock 80, por sua falta de efemeridade, pois, em qualquer tempo, traz-me a sensação de que não estou sozinho; enquanto alguns contemporâneos meus seguem na ida para a cegueira, minha poesia já está na volta, aprendendo com os eternos descaminhos da existência humana. Efêmera é a vida e essa eu já tenho; quero a eternidade na arte da sobrevivência como a conquistada por muitas bandas e compositores da década de 1980. A vibração é eterna e o show não pode parar; os rótulos passam e a arte continua e por isso eu pulo e continuo pulando – o céu da boca no beijo sem fim é o limite.
            Sobre crescer, caros conhecidos da reação 3, lembro que, segundo a ciência humana, o ser adulto, ao chegar a determinada idade, não cresce mais nem 1 cm sequer (pode encolher; crescer nunca!) e informo que, aos 32 anos, meu processo de crescimento passou do prazo de validade. Já cansar é perigoso, vem da atmosfera física e sentimental humana; há uma linha tênue e extremamente arriscada entre cansar e desistir e, como sou péssimo malabarista, prefiro não me acomodar no cansaço - se ele aparece, eu nego; se não dá as caras, deixa o cansaço quieto. Depois de assistir a diversos shows do Biquíni Cavadão, nas décadas de 1990, 2000 e 2010, aprendi que a exaustão existe, mas não precisa ser confessada. Cantemos, pulemos, dancemos pra não dançarmos, o tempo escorre de nossas mãos, então seguimos juntos, encharcados, mortificados, mas de pé contra o céu; já nos basta a derrota nas notícias do dia a dia, pra que nos rendermos mais? Se não tem nada pra dizer, solte um palavrão, mas continue, insista, a vida é dura, mas nossa existência mole pode bater bastante nela até perfurar uma luz do túnel de esperança nela e encontrar – por alguns instantes - a impossível felicidade ou pelo menos uma forte dose de mínimo contentamento. Cada show ao qual me jogo é um espetáculo novo aos meus olhos.
            Pra encerrar o texto (a vida continua, opiniões mudam e o pra sempre sempre acaba), a todos conhecidos, deixo meu até logo, vou repetir minha trilha em torno do velho desconhecido reconhecido; em breve, estarei no show do Biquíni Cavadão e do Ultraje a Rigor, indiferente às críticas, ao lado da poesia insistente, de frente pro espetáculo presente!       


3 comentários:

  1. Em relação aos anos 80 e os atuais, o relógio não parou, mas tbm nada mudou, né!?:/ Estamos presos na "liberdade" que nos resta. Que ainda nos é imposta. E o mais engraçado é que as pessoas ainda se sentem no direito de tirar de nós coisas bem simples. Como escutar e curtir aquilo que realmente apreciamos. Aquilo que traduz toda nossa alegria.
    Não curto algumas musicas, mas respeito o que o outro gosta. Gosto da musica dos anos 80 sim. Acho que as pessoas eram mais felizes, se expressavam mais, lutavam mais. Será pq? É preciso estar preso para querer ser livre? Ou a falsa liberdade não é inspiradora? Não sei. Longe de mim ser uma revolucionária (nem gosto). Acho que os extremos são perigosos.
    Voltando ao assunto que realmente interessa: Curta muitooooo. Quando o Bruno cantar "Quando eu te encontrar", lembre de mim tá ;). Ahhhh e se jogaaaaa pq no fundo, todos nós somos inuteis.Hahaha =*

    ResponderExcluir
  2. Excelente texto. Eu sequer tenho condições de sentir saudade dos anos 80, pois no ultimo ano daquela década eu nasci. Mas graças a boas influências, nunca achei que estas músicas estavam distantes de mim, na verdade nunca estiveram, assim como as verdades cantadas nelas ainda são verdades que ninguem de colarinho branco jamais vai esconder. Estas músicas são marcantes pois falavam do que vivemos, hoje, com a distancia entre virtual e real gerada pela internet, fala-se muito do que não vivemos, por isso, surgem muitas coisas vazias que por consequencia eternizam a "saudosa época do BROCK. Fui ao show ontem na Fundição, posso dizer que nunca havia vivido nada tão intenso. Salve a música brasileira.

    ResponderExcluir
  3. Posto aqui um comentário de minha amiga Isabel Costa, que desejava comentar, mas, por problemas no sistema de postagens do site, não pôde. Eis o comentário dela:
    "Decolo em seus textos, poeta-professor! Mas, precisava registrar aqui o relato dos shows de rock da década de 1980 "de corpo presente". Sim, meninos e meninas, eu vivi minha adolescência naqueles palcos espalhados pelas areias de Copacabana, Arpoador e Barra, pelo Riocentro, Canecão, Circo Voador, entre outros. Maravilhosos, alegres e intensos como, certamente, os shows que vcs tem a oportunidade de participar hoje, mas com a essência do rock brasileiro, que ali marcava para sempre a nossa história. Hoje, mostro o orgulho no canto dos lábios, ao encontrar “malocados” nos guardados de minha prole, 22 e 23 anos, meus CDs da Legião, Engenheiros, Blitz, Biquíni, Cazuza, Inimigos do Rei e outras nascidas, como Capital, Paralamas, Pato Fu... Por isso adoro tanto acompanhar seus relatos, poeta-professor, desses tantos shows que segue, em tantos cantos, para depois ainda ter o desprendimento de compartilhar, levando-me até lá. Continue a ir! Leve o Ploc e faça durar até o final... era minha estratégia assumidamente careta, rsrsrs, contra o vício, que não quis conhecer. Abraço."

    ResponderExcluir