sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Poema Primaveril: Fotossíntese


Hoje, dia 23 de setembro, comemoramos o início da primavera e o blog festeja 2 meses de vida e mais de 4.000 visualizações. Em homenagem a tudo isso, posto “Fotossíntese”, poema sensual de despedida do rigoroso inverno para a recepção das pétalas abertas da primavera, publicado originalmente no meu quinto livro “Eu e outras Províncias” (2008):

Fotossíntese

A noite cai suavemente sobre os ombros do céu
enquanto uma estrela que se apagou
numa madrugada de agosto
reacende, ressuscita em teu olhar de setembro
iluminando meu peito com um brilho incomum
febril, misterioso...

O vento desliza vagarosamente sobre meus cabelos
como um assaltante sorrateiro
leva consigo minha ingenuidade
enquanto uma brisa encosta em tua face
compartilhando de tua transformação
gentil, voluntária...

A última neve cai efervescente sobre meus ombros
enquanto o inverno adormece
num jardim esquecido
respeitando a tua primavera que me desperta
com o desabrochar de um desejo
feliz, perigoso...

Um comentário: