sábado, 20 de agosto de 2011

Prosa poética em homenagem aos historiadores: A agulha e a História

Em homenagem ao Dia do Historiador, comemorado no dia 19 de agosto, posto a prosa poética "A agulha e a História", escrita após visita a diversos museus no Rio de Janeiro/RJ e publicada em meu quarto livro "O último adeus (ou o primeiro pra sempre)". Pra ser lida ao som de "Múmias", do Biquíni Cavadão, e "Missionários", de Uns e Outros:


A agulha e a História

            Perdido entre estátuas de Napoleão, Tiradentes, Hitler e Getúlio Vargas, ele se sente tão pequenino, sozinho como uma agulha no palheiro.
            Loucos, mártires, ditadores, sonhadores, sucessos da mídia dos cartéis dos cartéis dos livros de História parecem deuses entre mortais, uma sopa de ideias e ideais que consome os seus consumidores, traz um marketing espetacular, alimenta e gera efeitos colaterais. Enquanto a agulha busca ser homem, ter um nome, um rosto, uma alma, uma novidade para os seus olhos cansados de impérios, forcas, preconceitos e suicídios induzidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário