quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Poema da eterna infância: Areia da praia

Neste dia 24 de agosto comemoramos o Dia da Infância, por isso posto um de meus primeiros poemas, publicado em meu primeiro livro "Fim do fim do mundo" (1997 - edição esgotada), buscando, como Mario Quintana, ser "um desenho de criança... terminado por um louco!":

Areia da Praia


Palavras e desenhos na areia da praia
Castelos de areia salgada
Por mais que a onda insista
Em desmanchá-los
Por mais que o vento insista
Em apagá-los
Continuarei a fazê-los
Continuarei a fazer elos.


O amor é uma palavra 
Um desenho na areia da praia
O amor é um castelo de areia salgada
E eu sou o menino
Que escreve palavras
Que desenha sentimentos
Fazendo castelos e elos
Na areia da praia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário