terça-feira, 26 de julho de 2011

Poema in memoriam pra minha vó Geralda

No dia dos avós, posto o poema que fiz em homenagem a minha avó Geralda, in memoriam, publicado originalmente no meu quarto livro "Último adeus (ou O primeiro pra sempre"), de 2004:

Rosas-poemas


Lhe trouxe uma rosa... rosa
Como os galãs dos filmes antigos... atemporais
Levavam as rosas em preto e branco
Em busca dos eternos finais felizes
Antes do apagar das luzes
Após a última sessão do Cine Glória
É inglorioso este 'The End'
É o fim... é eterno... é temporário
É necessário... Deus, fazei-me entender que é necessário...
E eu?... só?... Eu só... só quero reviver...
Sim... eu quero!
Rever o Botafogo de Mané Garrincha
Ter orgulho do Glorioso apesar de ser vascaíno
Reerguer o Casarão, o Solar dos Nogueira
Recontar a sua infância
Esquecer as cinzas
Refazer-me do presente
Reconhecer seu passado
Eu quero reviver você
Geralda, tolos todos poetas são ignorantes
Por desconhecerem a riqueza sonora de seu nome
Todos tolos poetas! Tantos poemas pras mães
E nenhum pra vó... A vó-
cação, a voz canção, a vó
A voz... que agora só conta histórias no silêncio
Em meu coração...
Sei que meu lirismo não ergue estrelas
Mas - Deus, entendei - levastes de mim uma constelação
Eu preciso escrever estes versos
Ainda que fragmentos desta estrofe única
Maltratem meu sorriso
Serei feliz com a poesia completa
Apesar de incompleto sem a musa inspiradora.
Estou aprendendo a ser menos egoísta
Por isso, Deus, deixo-Vos minha vó
Com minha voz sem mágoa:
"Que ela multiplique seus netos
No Vosso rebanho celeste"
Mas peço-Vos: deixai que leve a rosa rosa...
Como Elisa Marina rima com Continuidade
Minha vó só versifica com pétalas
Deixai as rosas rosas-poemas de minha vó Geralda
Desabrocharem na Eternidade!


Lamento a demora em enviar essa nova postagem, mas estava visitando minha outra avó Irene e meu avô Fernando, pois é preciso velar e sempre relembrar os mortos (para que os mantenhamos vivos em nós), porém é importante também sempre cuidarmos dos vivos, abraçá-los e manter os sonhos e o amor daqueles que ficaram.

Nenhum comentário:

Postar um comentário